News & Events

Precisamos falar sobre Bullying

Esse tipo de agressão chamado bullying sempre existiu, lembro-me da minha infância quando tinha entre 08 a 09 anos, estudava na 3° série do ensino fundamental e na minha sala tinha um menino de aproximadamente 13 anos ele era enorme, em relação aos outros alunos, e para melhorar a situação era o terror da sala, vivia batendo em todo mundo e pegava o lanche de todos, gostava de ficar humilhando os alunos mais fracos ou mais quietos e adorava mostrar que era o valentão da escola.

Eu não sabia porque ele estava na minha classe de aula, pois para sua altura deveria estar prestando vestibular, eu pensava. Certo dia esse menino veio ao meu encontro na hora do recreio e sem questionar nada pegou todo o meu lanche. Fiquei com raiva, mas não podia fazer nada, pois iria apanhar também como todo mundo. Então um dia ele estava parado na porta da sala de aula pedindo uma taxa para deixar entrar, como se fosse um pedágio, e quem não pagava ele dizia que iria esperar lá fora depois da aula, para dar uma surra, na primeira vez que isso aconteceu eu não paguei nada, uma que naquela época era muito difícil os pais darem dinheiro para nós e outra porque eu não tinha mesmo, levei um tapão na nuca e em seguida ele disse: “se amanhã você não tiver o dinheiro, vai  apanhar na saída”.

Fui embora preocupado, como iria arrumar dinheiro? Lembro que nesse dia não consegui nem dormir direito. No outro dia quem estava na porta da escola arrecadando o imposto para entrar? Ele! Quando eu o vi, fiz de tudo para passar despercebido, mas não teve jeito, ele me olhou e falou: “Hoje você não escapa na hora da saída”. Nesse dia não consegui prestar atenção na aula, eu tremia, suava frio, e de vez em quando ele ainda fazia questão de me lembrar, que ele estaria na saída me esperando. Quando terminou a aula saí correndo, não quis nem olhar para trás, só ouvia ele falando que amanhã iria me pegar, e assim foram dias e dias, as vezes conseguia escapar, mas na maioria das vezes eu apanhava.

Essa história parece ser comum para muitos de vocês que tem a minha idade, só que nos dias de hoje o bullying está ficando cada vez mais complicado de ser identificado, crianças sofrem sozinhas e com medo de compartilhar seu sofrimento se isolam no seu mundo e como se não bastasse hoje ainda temos o agravante do cyberbullying que é ainda pior. Na minha época o bullying acontecia no horário da escola, mas quando acabava a aula estávamos livres das ameaças e agressões, hoje em dia a criança sai da escola e as agressões ainda continuam através das redes sociais.

Vejo pais despreparados em relação à educação e orientação dos seus filhos, com a falta de tempo que eles têm para dar aos seus filhos, alguns tentam comprar o amor deles  mimando-os, fazendo tudo que eles querem e não sabem impor limites. Sei que a maioria tem a melhor das boas intenções, mas o que os pais não percebem é que fazendo tudo pelos filhos acabam tirando deles a oportunidade de aprender e crescer com as suas frustrações. Não digo que não devemos dar o melhor para nossos filhos, mas antes faça uma pergunta a si mesmo: -Ele está precisando disso agora? Na maior parte a resposta será não.

Os pais deveriam prestar mais atenção nos seus filhos, pequenos gestos podem mostrar que eles não estão bem: uma criança muito quieta, sozinha, comportada demais, é no mínimo estranho, não é normal esse tipo de atitude numa criança de 05 anos, geralmente eles querem brincar, correr, fazer bagunça, gritar, descobrir coisas novas.

 

Temos vários agravantes que fortalecem o bullying na escola: primeiro pais despreparados que não tem a mínima noção de como criar seus filhos, dão de tudo, mimam, não impõe regras e nem limites e por aí vai. Outro agravante é não ensinar as crianças a respeitarem as diferenças, deixe que seus filhos passem por algumas frustrações, isso será fundamental para o crescimento e desenvolvimento dele como pessoa e o mais importante, preste mais atenção no seu filho, dedique seu tempo para conhecê-lo melhor.

Se perceber que algo de estranho está acontecendo com seu filho o incentive a falar, torne-se seu amigo, faça com que ele confie em você, ensine-o a se expressar, mas não perca sua autoridade de pai e mãe.

E o mais importante, brinque com ele, eu sempre digo, o que vai ficar na lembrança da infância do seu filho, não é tablet, celular, computador, videogame, o que vai ficar para sempre é o dia que você brincar de cabana no meio da sala, assistir filmes juntos, comer pipoca, viver o momento juntos.

Pense nisso, você pode mudar essa situação.

Compartilhe em suas Redes Sociais